Guida e Maia só puderam conhecer a liberdade depois de muito tempo, na maturidade. Desde que chegaram ao Brasil, ainda filhotes, foram utilizadas para espetáculos circenses. Durante as apresentações, eram transportadas em condições desumanas. Sofreram muito, tanto nas viagens, quanto nas acomodações em terra. Não é segredo que muitos animais circenses são vítimas de maus tratos.

maiaeguida2 - Elefanta se despede de companheira, após uma vida juntas

Em 2010, o Ibama conseguiu resgatá-las de um circo na Bahia e levá-las a um sítio em Minas Gerais. Ainda nesse sítio, a relação entre as duas não era tranquilo e ficavam separadas, uma vez que o estresse causa esse tipo de comportamento nos animais.

Em 2016, finalmente elas foram levadas ao Santuário de Elefantes Brasil (SEB), para serem as primeiras moradoras do local. Desde então, as elefantas se tornaram companheiras inseparáveis.

No final de junho de 2019, Guida fazia uma trilha, enganchou a pata e, momentos depois, deitou-se. Os profissionais foram prestar ajuda, mas Guida já estava com a respiração enfraquecendo. A respiração de Guida, após oscilações, parou de vez, serenamente.

A companheira Maia aproximou-se e, após cheirar e tocar o corpo caído de Guida com a tromba, finalmente entendeu o que havia acontecido. A equipe permitiu que Maia ficasse ao lado do corpo da companheira a madrugada toda, despedindo-se.

Será que ainda existem pessoas que duvidam dos sentimentos dos animais?

maiaeguida - Elefanta se despede de companheira, após uma vida juntas
Maia ao lado do corpo da companheira Guida

Imagens: Santuário de Elefantes Brasil (SEB)

Fonte: https://www.bbc.com

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS